DIÁRIO DE LU

(ou As aventuras e desventuras deste mundo muito louco...)

Viajar é preciso.
Viajar é preciso.
press to zoom
Formei, gente!
Formei, gente!
press to zoom
Carnavaliza, BH!
Carnavaliza, BH!
press to zoom

Minhas atividades como palestrante

Uma das principais atividades que eu desempenho como profissional é a de dar palestras e ser mestre de cerimônia em eventos. Muitas pessoas têm curiosidade sobre minha história e o meu exemplo ajuda as pessoas com deficiência e suas famílias.

Completei dois anos na AIC!

Em outubro, durante as minhas férias, completei dois anos de trabalho na Agência de Iniciativas Cidadãs. Na volta das minhas férias, me deparei com uma matéria sobre minha trajetória, no site da AIC. Fiquei muito feliz!

Aparecendo na mídia

Quando me tornei a 1ª relações públicas com Síndrome de Down no Brasil, muitos veículos de comunicação entraram em contato comigo. Desde então, tenho aparecido na mídia. Por que isso é importante? Porque as pessoas com deficiência devem estar em todos os espaços e essa visibilidade nos meios de comunicação pode contribuir para isso.

Inclusive Luísa lança podcast sobre inclusão e diversidade

Pessoas com deficiência e profissionais que atuam pela inclusão participam dos 8 episódios do programa. Produção é conduzida por Luísa Camargos, primeira RelaçõesPúblicas com Síndrome de Down do Brasil.

Entrevistei uma atleta paralímpica!

Antes de embarcar para Tóquio, Izabela Campos, que vai disputar o lançamento do disco na Classe F11 (para cegos), e é de Belo Horizonte, deu uma entrevista para o meu podcast. Isso mesmo! No mês de setembro vou lançar um podcast, mas vou falar sobre isso em outro post para vocês.

Dois anos de formada!

Há dois anos colei grau como Relações Públicas. Sou a primeira pessoa com Síndrome de Down no Brasil a se formar nesse curso. No início desse mês, recebi meu diploma!

Livro sobre trabalho e inclusão

Participei do lançamento do livro "Trabalho, Gestão em Rede e Pessoas com Deficiência - Perspectivas de Participação e Articulação de Coletivos", da autora Maria Cristina Abreu Domingos.

Tomei a segunda dose da vacina!

Tá passada? As pessoas com Síndrome de Down possuem fatores de risco para a Covid-19, por isso estão entre a população prioritária para a vacinação contra o novo Coronavírus.

Apresentei um artigo no Congresso da Abrapcorp

Apresentei o artigo: “Mobilizar sem aglomerar: desafios e invenções da educação para a cidadania na pandemia”. Nele eu conto como tive que me reinventar para continuar desempenhando meu trabalho na pandemia.

Clube de Leitura

Vocês sabem o que é um clube de leitura? Eu estou participando de um promovido pela SABIC (Associação dos Amigos das Bibliotecas Comunitárias da Região Metropolitana de Belo Horizonte). Venha ver o primeiro livro que lemos.

Me reiventando na pandemia

A pandemia da Covid-19 é um enorme desafio pra todo mundo, não é? Comigo não tem sido diferente. No ano de 2020, trabalhei muito para enfrentar as dificuldades da vida profissional em tempos de home office, e eu gostaria de contar um pouco pra vocês sobre como foi.

Vacinada!  

Logo no primeiro dia de Vacinação para pessoas com mais de 18 anos e com Síndrome de Down, eu fui até o posto de vacinação e Já tomei a minha primeira dose da vacina contra a Covid-19.  

Apesar de já ter tomado a vacina sei que preciso continuar tomando todos os cuidados para prevenir contra a Covid-19 e já anotei na minha agenda pra tomar a segunda dose sem falta!

Dia Internacional da Síndrome de Down

No dia 21 de março é celebrado o Dia Internacional da Síndrome de Down e é o momento ideal para aprendermos alguns conceitos importantes! Vou mostrar para vocês que nós podemos tudo! Algumas frases que são comuns de escutar NÃO representam a realidade e eu posso provar, vem comigo! 

Um ano de trabalho na AIC

Na AIC eu consegui meu primeiro emprego como Relações Públicas. E isso é motivo de muita alegria pra mim! Eu participo de vários projetos na ONG, ajudo na transcrição de entrevistas e também na legenda de vídeos. Já fiz atualização de mailing, vários tipos de textos e, claro, dou aquela força nas redes sociais.

A flauta é o meu instrumento!

Já nos primeiros 15 dias de vida, comecei a frequentar a fonoaudiologia e a fisioterapia. Depois de mais um tempinho, a terapia ocupacional e psicologia.

Minha experiência no Super Nosso

Eu comecei a trabalhar no Super Nosso em 06 de maio de 2015. Nessa época já tinha terminado o ensino médio, e minha amiga Cristina, Assistente Social, me indicou para a trabalhar lá.