Buscar

Me reiventando na pandemia


A pandemia da Covid-19 é um enorme desafio pra todo mundo, não é? Comigo não tem sido diferente. No ano de 2020, trabalhei muito para enfrentar as dificuldades da vida profissional em tempos de home office, e eu gostaria de contar um pouco pra vocês sobre como foi.


Eu atuei em várias ações da AIC no ano passado. Uma delas foi muito especial: o projeto Educação Inclusiva, realizado pela Fundação Vale em parceria com a nossa instituição. A iniciativa, que vem sendo desenvolvida desde 2017, forma professores e gestores das redes municipais de educação de vários estados brasileiros para que promovam uma educação realmente acessível a todas as pessoas, respeitando a diversidade. O Educação Inclusiva foi realizado durante todo o ano passado na cidade de Itaguaí, no Rio de Janeiro. Sou uma das pessoas da equipe da AIC que atuou na formação dos professores. Nesse projeto, e no trabalho como um todo, eu precisei fazer algo super desafiador: me reinventar.


É isso: foi preciso me reinventar na pandemia, pois a coisa mais importante da minha vida é interagir com as pessoas. Sinto muita falta de conversar, de trocar ideia, de trabalhar junto, todo mundo no mesmo lugar. Eu sempre falo uma frase que todo mundo adora: é muito amor envolvido na minha vida. Então, sinto muita falta das minhas colegas da AIC, mas eu também sei que podemos fazer muita coisa a distância, interagindo pela internet e pelas redes sociais. E eu já era digital influencer, usava as redes sociais pra difundir o ideal da sociedade inclusiva. Isso faz parte do meu propósito de vida: tenho Síndrome de Down e falo pra todo mundo que vale a pena apostar no potencial das pessoas com deficiência, pois a maior barreira que enfrentamos é o preconceito.





Levei essa mensagem ao projeto Educação Inclusiva, no qual fiz palestra (presencial e online) e gravei videoaulas, sempre mostrando que a pessoa com Síndrome de Down tem direito e toda a condição de ter uma vida boa como qualquer outra pessoa. E eu falo da minha experiência de digital influencer para incentivar as pessoas que estão passando por essa pandemia a aprenderem a usar cada vez mais essas tecnologias.

Enfim... a experiência de formação dos professores no projeto deu super certo, pois buscamos diversas formas de dialogar com eles a distância. Ela nos mostrou que vale a pena buscar novos caminhos pra interagir com as pessoas, trabalhar, apoiar as causas em que acreditamos, nesses tempos em que ficar em casa é fundamental pra protegermos a nós mesmas e às outras pessoas.





Querem ver um exemplo? No caderno de boas práticas do projeto Educação Inclusiva, é possível conhecer as dificuldades e estratégias que as educadoras e os educadores de Itaguaí criaram para promover a educação para todos e todas em tempos de pandemia.


Confiram!

https://aic.org.br/saberes-compartilhados/caderno-de-boas-praticas-de-educacao-inclusiva-itaguai/