Buscar

Você conhece Antô­nio Francisco Lisboa?


Foto: Jornal Cruzeiro


O Brasil tem um dos maio­res e mais completos artistas do mundo. Reconhecido por seu talento como escultor, entalhador e arquiteto, Antô­nio Francisco Lisboa, ilustre cidadão da antiga Vila Rica – atual cidade mineira de Ouro Preto, é o maior nome do Ba­rroco brasileiro e um dos maiores do mundo!


Filho de um arquiteto português com uma escrava africana, Antônio é o exem­plo típico da miscigenação que moldou o povo brasilei­ro. Por sua genialidade e ta­lento, se tornou referência da arte sacra.


Se você ainda não ligou o “nome à pessoa”, este é o ar­tista mineiro que aprende­mos, na escola, a reconhecer como Aleijadinho. Durante boa parte de sua vida, o artis­ta foi uma pessoa sem defi­ciência. Já com idade avan­çada, desenvolveu uma do­ença degenerativa que levou à amputação e atrofia dos membros, tendo que ama­rrar as ferramentas ao coto para trabalhar.


Em todo o mundo, são muitos os artistas talento­sos: Vincent Van Gogh, Leo­nardo da Vinci, Michelange­lo, Salvador Dalí… apenas pra citar alguns. O que eles têm em comum? São conhe­cidos por seus nomes! Antô­nio Francisco Lisboa, o Alei­jadinho, ficou rotulado pela sua condição física.


Ele morreu em 1814, por­tanto, mais de dois séculos se passaram e ainda nos re­ferimos a ele da mesma ma­neira. Hoje, certamente não aceitaríamos esta nomencla­tura. Mas ajustar apenas o termo basta? Precisamos mudar nossa atitude!


Veja a Lei de Cotas. Ela existe, mas o poder público não fiscaliza nem pune como deveria. As empresas focam na deficiência e querem ape­nas preencher um número e se esquecem de focar na capacitação do candidato, só disponibilizando para os tra­balhadores com deficiência as vagas de baixa qualifica­ção. Quem disse que currí­culo precisa vir com defi­ciência? Indigne-se!


É normal uma criança com deficiência não ter edu­cação inclusiva plena, ou nem mesmo poder brincar no intervalo das aulas com os demais alunos por que a escola não está preparada? Não é normal. A sociedade só evolui quando aprende a lidar com as diferenças. Imagine, nos dias de hoje, uma loja onde um cliente negro tivesse que entrar pela porta dos fundos. Isso ria quebrar a internet! Mas por que aceitamos que isso seja normal para um ca­deirante, por exemplo? Só porque existe uma escada ali?! Não importam as desculpas.


Só vamos de fato avan­çar quando deixarmos de la­do as desculpas e pararmos de aceitar como normal aqui­lo que é absurdo. Hoje, certa­mente o artista não receberia mais o apelido de Aleijadinho. Porém, continuaria en­trando pela porta lateral!


(Denis Deli – Jornalista e palestrante, especializado na inclusão da pessoa com deficiência)


Fonte: Jornal Cruzeiro

INCLUSIVE LUÍSA - Mobilização por uma sociedade all inclusive

 

Criado por AIC - Agência de Iniciativas Cidadãs

  • Preto Ícone Instagram
  • Ícone preto do Facebook